domingo, 21 janeiro 2018 20:05

OITO ANOS DEPOIS DE SE TER IMPOSTO NO DAKAR2010, SAINZ REPETIU A PROEZA Destaque

Escrito por
Classifique este item
(0 votos)

Sainz impôs-se em uma das mais duras edições dos últimos anos.

O espanhol Carlos Sainz (Peugeot) engrandeceu hoje a sua lenda, ao vencer pela segunda vez o rali Dakar, na categoria de automóveis, enquanto o austríaco Matthias Walkner (KTM) iniciou a sua, com o primeiro triunfo, nas motos.

Oito anos depois de se ter imposto no Dakar2010, Sainz repetiu a proeza à chegada da 40.ª edição da prova rainha de todo o terreno, após 120 quilómetros de consagração em Córdoba, na Argentina, da 14.ª e última etapa.

Com dois títulos mundiais de ralis, conquistados em 1990 e 1992, e outros tantos no Dakar, o piloto espanhol apenas é superado nesta combinação pelos finlandeses Ari Vatanen (um Mundial de ralis e quatro vitórias no Dakar) e Juha Kankkunen (quatro títulos nos ralis e um no Dakar).

 

Sainz impôs-se em uma das mais duras edições dos últimos anos, a 10.ª realizada na América do Sul, com passagem por Peru, Bolívia e Argentina, e tornou-se, aos 55 anos e 284 dias, o piloto mais velho a vencer a prova na categoria de automóveis.

“A Peugeot já tinha vencido duas vezes, mas o trabalho que colocámos no carro nos últimos quatro anos foi brutal e esta é uma recompensa merecida”, disse o novo campeão do Dakar, enquanto festejava a vitória em cima do seu carro.

O espanhol concluiu o rali com 43.40 minutos de vantagem sobre o catarense Nasser Al-Attyah (Toyota), segundo classificado, e 01:16.41 horas do sul-africano De Villiers, terceiro da geral e vencedor da última tirada, na qual Sainz foi apenas nono.

O francês Stephane Peterhansel (Peugeot), recordista de vitórias da prova, com 13 triunfos (sete nos carros e seis nas motos), foi hoje o segundo mais rápido, mas terminou no quarto lugar da classificação geral, depois de na sexta-feira ter perdido mais de 40 minutos em consequência de um embate numa árvore.

 

 

 

Walkner não terá tido menos motivos para celebrar, depois de se tornar, aos 31 anos, o primeiro austríaco a vencer a prova, aos comandos de uma KTM, marca austríaca que venceu as últimas 17 edições do rali.

O ‘motard’ natural de Salzburgo conseguiu vencer a competição, à quarta tentativa, depois de ter terminado no segundo lugar no ano passado e de ter abandonado nas duas participações anteriores, em 2016, em consequência de uma fratura no fémur.

“É um sonho tornado realidade. Ainda estou a tentar habituar-me à ideia de que venci. Parece fantasia. Esta manhã estava muito nervoso. Mas tudo acabou por correr bem”, exultou Walkner, que terminou a etapa na oitava posição, a 05.38 minutos do vencedor, o argentino Kevin Benavides (Honda).

Benavides foi o segundo colocado da geral, a 16.53 minutos de Walkner, enquanto o australiano Toby Price (KTM), vencedor da prova em 2016, terminou no último lugar do pódio, a 23.01 do austríaco.

O português Fausto Mota (Alfer), que compete com licença espanhola, obteve o seu melhor resultado em três participações, ao terminar no 43.º posto, a 13:42.17 horas do vencedor, depois de ter chegado a Córdoba no 40.º lugar da tirada.

Nos automóveis, o português Filipe Palmeiro, copiloto do chileno Boris Garafulic (Mini), foi 13,º posicionado, enquanto o compatriota Marco Moreiras, que integrava a equipa dos alemães Mathias Behringer e Stefan Henken, foi 14.º na categoria de camiões.

Nos ‘quads’, o chileno Ignacio Casale conquistou o seu segundo Dakar, repetindo o êxito de 2014, enquanto o brasileiro Reinaldo Varela (Can Am) sucedeu ao seu compatriota Leandro Torres nos ‘buggys’ (SSV).

Ler 79 vezes

Deixe um comentário

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

Login